Após dois anos de trabalho delicado, o altar do asilo São Jerônimo foi restaurado

Após dois anos de trabalho delicado, o altar do asilo São Jerônimo foi restaurado
A presidente da Associação de Proteção à Infância e Assistência Social de Santa Luzia, Elizabete de Almeida Teixeira Tófani, e o presidente da Associação Cultural Comunitária de Santa Luzia, Adalberto Andrade Mateus, em frente ao altar, restaurado através de financiamento coletivo. Foto: Marcos Ikeda

Gustavo Werneck, Estado de Minas

Dois anos de trabalho, longas horas diárias de dedicação ao patrimônio, valorização da arte barroca em tempo integral. A Associação Cultural Comunitária de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, entrega hoje (8), durante missa celebrada às 19h pelo padre Felipe Lemos Queirós, a obra concluída de restauração do altar da capela do Instituto São Jerônimo, no Centro Histórico da cidade. A intervenção ocorreu graças a financiamento coletivo, “com doações de diversas pessoas que se comprometeram a colaborar na recuperação de uma das peças mais singelas do acervo cultural da cidade”, diz o presidente da associação, Adalberto Andrade Mateus.

O Estado de Minas acompanha o serviço de restauração, que ganhou destaque em reportagem publicada em 10 de setembro de 2018. “Esse retábulo nunca teve seus elementos artísticos recuperados. Com a restauração, podemos admirar novamente as cores originais e detalhes que decoram todas as partes internas dos nichos”, revela a presidente da Associação de Proteção à Infância e Assistência Social de Santa Luzia, Elizabete de Almeida Teixeira Tófani, que trabalhou na obra ao lado de voluntários. O projeto de restauração contou com a coordenação técnica da restauradora Denise Camilo e teve aprovação, em 2018, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha).

A entrega da obra, no dia de São Jerônimo Emiliano, ocorre em momento significativo, destaca Adalberto Mateus: “A comunidade de Santa Luzia deve recebê-la com entusiasmo, pois, com a bênção do retábulo, celebramos os 329 anos da cidade (primeiro núcleo populacional) e os 80 anos do Instituto São Jerônimo”. Ele acrescenta que o projeto foi integralmente executado com a doação de recursos pela comunidade e o trabalho de voluntários. “Trata-se de uma conquista que demonstra compromisso com nosso patrimônio cultural.”

DESCOBERTAS– A restauração do retábulo, orçada em cerca de R$ 20 mil, revelou cores e detalhes escondidos há mais de 80 anos. A peça sacra pertenceu, no século 19, à antiga Fazenda das Lages, propriedade dos barões de Santa Luzia, Manoel Ribeiro Vianna e Maria Alexandrina de Almeida Ribeiro Vianna. “A capela era dedicada a Nossa Senhora do Rosário, razão pela qual podemos perceber as rosas de malabar que decoram todo o retábulo”, conta Elizabete sobre a trajetória da peça sacra. “Com a fundação do asilo (para crianças) pela benemérita Maria do Carmo Moreira (1898-1989), a dona Mariinha, o retábulo foi trazido na década de 1940 para o Centro da cidade, sendo a peça principal da capela construída a partir de projeto do arquiteto modernista Raphael Hardy Filho (1917-2005).”

De acordo com o Iepha, o retábulo tem o estilo dom João V, sendo uma versão simplificada dos grandes exemplares representativos do rococó. Além das rosas, podem ser novamente admiradas duas rocalhas, muito presentes na decoração desse estilo artístico. Um dos destaques da restauração está no douramento original, perdido com o passar dos anos, e recuperado a partir da aplicação de centenas de folhas de ouro adquiridas com a doação dos amigos da Associação Cultural Comunitária.

Já a imaginária da capela, em gesso, foi recuperada a partir de doações ao Santuário de Santa Luzia, em campanha coordenada pelo titular da paróquia, padre Felipe Lemos de Queirós.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

1 Comentário

  • Carla de Castro Silva
    10 de fevereiro de 2021, 18:20

    Muito importante esta restauração que revelou toda a beleza deste retábulo que estava escondida debaixo de camadas de repinturas feitas inadequadamente em épicas passadas. Parabéns à Adalberto Mateus presidente da Associação Cultural Comunitária de Santa Luzia, ao Padre Felipe Lemos Pároco de Santa Luzia e à Elisabete Tóffani presidente da Associação de Apoio à Criança e Assistência Social.

    RESPONDA