Sem testes, Santa Luzia já tem quase 300 suspeitos de contraírem novo coronavírus

Sem testes, Santa Luzia já tem quase 300 suspeitos de contraírem novo coronavírus
Prefeito de Santa Luzia, Christiano Xavier,  prometeu utilizar o Hospital de São João de Deus a partir do início de abril, para tratar os casos de coronavírus. Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Luzias

Os últimos números  divulgados pela Secretaria Estadual da Saúde mostram que havia em Santa Luzia até sexta-feira(27) 283 pessoas suspeitas de terem contraído o novo coronavírus. ( Neste sábado, a imprensa luziense fala em 294 casos)  É mais do que Juiz de Fora, quarta maior cidade do estado, depois de Belo Horizonte, que registrava ontem 271 casos suspeitos.

Ao todo, Minas Gerais possui 205 casos de pessoas com a Covid-19. Outros mais de 22 mil casos são investigados como suspeitos no Estado.

Morador de Santa Luzia com Covid-19 – Entre os moradores de Santa Luzia o número dos que podem estar com o vírus só aumenta, mas não há como confirmar se estas pessoas encontram-se ou não contaminadas, pois não foram submetidas ao teste.

Além disso, as próprias autoridades admitem que há uma “sub-notificação”, ou seja, o número daqueles com possíveis sintomas da doença pode ser muito maior do que o registrado pelas estatísticas oficiais.

A maior prova disso é a notícia dada neste sábado pelo Jornal Virou Notícia: “O jornalista Ramon Damásio teve acesso, com exclusividade, ao sumário de alta de um paciente (morador de Santa Luzia) que deu entrada em um hospital particular em Belo Horizonte, no último domingo. Ele permaneceu internado até quinta-feira, (26), quando recebeu alta médica, depois de ser diagnosticado com Pneumonia por COVID-19.” O caso desse homem, que está isolado em casa juntamente com a mulher, nem consta dos boletins divulgados diariamente pela Secretaria de Saúde de Minas.

Vendedoras sem máscara nem luvas – Por isso o isolamento é tão importante. E quando necessitar sair de casa é preciso tomar todo o cuidado, com a gente e com os outros. Dentro desse raciocínio, é inaceitável o que ainda se vê em Santa Luzia: estabelecimentos comerciais com todas as funcionárias sem máscara nem luvas. Todas elas se expondo  como se não houvesse um vírus perigoso nos rondando.

Faltam respeito e responsabilidade por parte do empregador,  tanto com as funcionárias como com os fregueses, que também se expõem ao frequentar um lugar onde as atendentes, sem qualquer proteção, podem facilmente se contaminar e transmitir o vírus.

Há também aqueles que, apesar de todas as evidências – Itália, Espanha, Estados Unidos -, acreditam que o vírus, originário da China, não causa tanto estrago como a mídia propaga. E apenas os mais velhos devem se proteger contra esse flagelo.

Vírus é o mais contagioso – Para os que  menosprezam o novo coronavírus, dizendo que provoca apenas uma “gripezinha”, sugerimos a leitura da entrevista de Margareth Dalcolmo, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fiocruz, uma das pneumologistas mais respeitadas do país.

Ela confirma que, no Brasil, a Covid-19 tem atacado adultos com menos de 50 anos com a ferocidade com que afeta os idosos na Itália.

“Sabemos que esse vírus é muito mais transmissível e letal do que a gripe comum. E é imprevisível. Que fique claro, ele não causa uma pneumonia clássica, do tipo que os médicos estão acostumados a ver”, diz a médica, explicando: “A pneumonia da Covid-19 é muito diferente da comum. Ela se caracteriza por ser intersticial e evolui com fibrose pulmonar, muitas vezes precoce. As tomografias dos pulmões mostram marcas que se parecem com fibroses antigas. Nunca vimos isso antes. E isso é só parte do problema.”

Em outro trecho da entrevista, Dra. Margareth afirma: “É verdade que 80% dos casos são leves e não precisam de hospitalização. Mas metade dos 20% restantes vai precisar de ventilação, de respiradores. Se há mil infectados, isso é absorvido pela rede de saúde. Mas se há 50 mil infectados, haverá 5.000 pessoas precisando simultaneamente de respiradores. Esse é o horror dessa doença que se espalha depressa e deixa muita gente doente ao mesmo tempo.” Clique aqui para ler a entrevista completa.

Campanha “Ser solidário na quarentena”
Muitas famílias já  estão sentindo e muitas outras sofrerão o impacto da crise econômica causada pelo novo coronavírus. Em vista disso, diferentes segmentos e entidades se uniram numa rede de solidariedade para apoiar essas famílias com alimentação e itens de higiene pessoal. Para levar adiante o trabalho,  estão fazendo uma campanha de doação juntamente com a Paróquia Santíssima Trindade,  Sociedade São Vicente de Paulo, Creche Senhora da Paz, Comunidade Kolping São Benedito, Casa de Cultura Lodé Apará. Clique aqui para saber mais sobre a campanha

Veja como esse vírus se propaga neste quadro do portal G1:

 

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply