Projeto imobiliário ameaça vestígios históricos da fazenda da Baronesa

Projeto imobiliário ameaça vestígios históricos da fazenda da Baronesa
A empresa Tenda Negócios Imobiliários S/A está construindo 420 apartamentos bem ao lado da sede da Fazenda da Baronesa, onde, segundo informações de antigos moradores, existiam as senzalas e outras estruturas da propriedade, inclusive um antigo “tronco de escravos”

Redação do Luzias

Um empreendimento da empresa Tenda Negócios Imobiliários S/A, que prevê a construção de quatrocentos e vinte apartamentos no Bairro Belo Vale, região do São Benedito, coloca em risco de desaparecimento importantes vestígios da Fazenda das Lajes, mais conhecida como Fazenda da Baronesa, onde ainda existem estruturas de pedra da antiga propriedade, que foi uma das mais importantes de Santa Luzia.

A empresa está construindo um condomínio denominado Residencial Vista do Sol, com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida, na Avenida Adair de Souza, 500, em um terreno com área de 20.874,00 m2.

O problema é que a obra está sendo realizada no terreno situado bem ao lado da sede da Fazenda da Baronesa, onde, segundo informações de antigos moradores, existiam as senzalas e outras estruturas da propriedade, inclusive um antigo “tronco de escravos”. As obras, segundo consta, não tiveram estudos prévios de impacto no patrimônio histórico e não foram aprovadas pelo Conselho Municipal de Patrimônio Cultural. A edificação de diversas torres de apartamentos também coloca em risco o entorno e a paisagem da antiga Fazenda, que foi o berço de dezenas de bairros da cidade.

Este é o Residencial Vista do Sol que está sendo construído ao lado da Fazenda da Baronesa

De acordo com fontes históricas do século XIX, a Fazenda era um entreposto para distribuição de gado, sal e outros produtos que eram trazidos da Bahia para Minas Gerais. No local também havia engenho de cana de açúcar, moinho, senzalas e uma Capela dedicada a Nossa Senhora do Rosário.

A designação “Fazenda da Baronesa” decorre de ter sido propriedade de Maria Alexandrina de Almeida (1791-1879), a Baronesa de Santa Luzia, nascida em Barra (BA) e uma das mulheres mais ricas de Minas Gerais no século XIX.

Leia também:
Santa Luzia está sendo invadida por conjuntos habitacionais
Luzienses se mobilizam para dar um basta à farra imobiliária na cidade

O Ministério Público de Santa Luzia, por meio da 6ª Promotoria de Justiça, instaurou investigação e solicitou uma perícia no local por arqueólogos da Universidade Federal de Minas Gerais, que realizaram vistoria na área em 20/03/2018, pela manhã. A previsão é que o laudo fique pronto em 15 dias.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

1 Comentário

  • Martha Maria Lopes Pontes
    25 de abril de 2018, 14:12

    Mais um absurdo de apropriação indevida por debaixo dos panos…
    Fiscalização ZERO!!!
    PATRIMONIO ESQUECIDO E ENTERRADO!!!

    RESPONDA