Elisa Santana: Meu Pai

Elisa Santana: Meu Pai
Uma parte de Santa Luzia, perto da nossa casa. Fotografia: Anderson Sutherland

Hoje, 26 de julho, meu pai, José Santana – Duca de Pinha-, completaria 109 anos. Ele nos deixou há exatos 20 anos. Uma das minhas irmãs, Elisa, transformou a dor da separação, da ausência do nosso baobá, em poesia. Já publiquei outras vezes. Mas, como não me canso de ler este poema, pois é a cara dele, publico novamente. Pequena homenagem a quem nos deu tudo:

Meus olhos de menina
Viam o meu pai muito grande
Aquele meu pai que não era
De falar muito com crianças
Mas estava sempre enrabichado com elas.
Nos acordava cedinho,
Eu e meus três irmãos mais novos
Nos empoleirava na boleia de seu jipe…
E lá íamos nós… em um silêncio quase medroso
Mas achando que o mundo
Era o melhor lugar do mundo!
Às vezes, o ouvia dizer à minha mãe:
-Menino não tem querer não, Clara!
Pra logo em seguida emendar:
– Querem ir passear comigo?
Quantas vezes debulhei fava pro almoço
Ali quietinha.
Só ele e eu.
Sem falarmos nada
Num silêncio que só não era muito
Porque as favas saltavam da casca
Fazendo um barulhinho bom…
Ploc…ploc
E nós dois ali,
Sem dizermos nada e
Cercados de felicidade.
E nós dois ali…
E eu lá, menina
E pensava:
– Que bom que era ser filha do meu pai!

Elisa Santana, 62 é atriz, cantora e poeta.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

1 Comentário

  • Nenez
    26 de julho de 2018, 12:29

    Saudades!!!@@

    RESPONDA