Força da solidariedade: luzienses se mobilizam para ajudar vítimas das chuvas

Força da solidariedade: luzienses se mobilizam para ajudar vítimas das chuvas
Resposta dos luzienses aos apelos por ajuda para as vítimas está sendo muito generosa

Luzias

Após a grande enchente do final de semana, os luzienses se desdobram em duas frentes de trabalho. De um lado, equipes retiram a pesada lama trazida do Rio das Velhas do interior de residências, casas comerciais, ruas e avenidas. De outro, grupos se movimentam desde o início da manhã para dar assistência, alimentação e amparo às famílias que tudo perderam, vivenciando momentos de profunda angústia e desespero.

As igrejas e a sociedade civil organizada de Santa Luzia estão de plantão recebendo donativos e materiais essenciais para a limpeza das residências, principalmente de famílias de baixa renda, as mais afetadas pelo aguaceiro, por isso, tão necessitadas de ajuda.

A solidariedade dos luzienses mostrou a sua força. Aqui, as doações organizadas na sacristia da matriz

A ONG Solidariedade Todos Juntos Sempre, dirigida pela advogada Rosa Werneck, é uma das entidades que têm se desdobrado nas últimas trágicas 48 horas vividas cidade. De acordo com os seus voluntários, mais de 600 lanches e refeições (entre café da manhã, almoço e jantar) foram servidos a comunidades do Córrego Frio, Barreiro do Amaral, Pinhões e Macaúbas.

“Tristeza e sofrimento não faltaram, mas houve também muita solidariedade e amor ao próximo” resume a advogada, que faz questão de agradecer a dedicação e o compromisso da rede de voluntários.

Rosa Werneck e sua valente equipe se desdobram para ajudar os mais necessitados

Outro personagem que arregaçou as mangas é o pároco de Santa Luzia, Felipe Lemos de Queirós. Ele coordena os trabalhos de recebimento das doações, que não param de chegar ao Santuário de Santa Luzia.

Após o anúncio da campanha em favor dos necessitados nas missas e nas redes sociais, centenas de peças de roupa, materiais de higiene pessoal e de limpeza estão sendo entregues na sacristia da igreja.

No espaço atrás da Matriz, voluntários organizam as muitas doações que chegam a todo instante

“O que mais precisamos no momento é material de higiene pessoal e de limpeza, para ajudar essas famílias que necessitam desse apoio”, disse o padre nas redes sociais, esta tarde.

Além da Ong Solidariedade e do padre Felipe é preciso registrar que outras instituições e dezenas de pessoas, moradoras dos mais diversos pontos da cidade, também se lançaram na tarefa de levar conforto aos que sofreram com as terríveis conseqüências das chuvas mais intensas já registradas na região de Santa Luzia desde 1997.

Veja os estragos causados pelas enchentes na casa de um morador do bairro Nova Esperança:

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply