Dra. Liliane Noacco, ex-procuradora de SL: ‘Como me despedir de você, linda cidade?’

Dra. Liliane Noacco, ex-procuradora de SL: ‘Como me despedir de você, linda cidade?’
A ex-Procuradora, Dra, Liliane Noacco, ao lado do Promotor, Dr. Marcos Paulo M de Souza

Luzias

Santa Luzia foi surpreendida no início da semana com a triste notícia da exoneração da Procuradora-Geral, Dra. Liliane Noacco, que ocupava o cargo desde o início da gestão do Prefeito Christiano Xavier, em julho de 2018. A nova Procuradora do município é a Dra. Patrícia Natália Elias. Não se sabe o que levou o Prefeito a optar por exonerar Dra. Liliane, respeitada e admirada por muitos luzienses, pela sua entusiasta defesa de Santa Luzia e participação ativa nos eventos da cidade . Ela não quis falar sobre sua saída, mas enviou ao Luzias uma carta em forma de poema, através da qual se despede de Santa Luzia. “Te deixo, mas te levo,” diz ela, dando seu recado nas entrelinhas.

Leia:

Como me despedir de você, linda cidade? Você que me trouxe tanta amizade.

Belos distritos, ricas memórias, retrato fiel das terras Alterosas. Das históricas do entorno, és das mais garbosas.

Te deixo mas te levo. Porque na acolhida do seu povo, na alegria de pisar o chão do amparo de tanta afabilidade recebida, lhe devo o tributo de reconhecimento e carinho em nome do afeto inesgotável que me junge a este tricentenário lugar.

Ternura e gratidão por auferir de sua cultura, uma vastidão. Diversidade de gente, de costume, de poderosa mineirice. Eu que sou do seu quintal, do portal do sertão.

Tão peculiar e ao mesmo tempo, tão generosa. A paisagem encantadora de sua mata atlântica me fez mais sensível, mais romântica.
Apaixonada pelas flores, despertei lindos amores. Às paisagens, às suas paragens, a cada detalhe… aos ipês que vi plantar e verei florescer. São lembranças do cultivo de alma marcante. Registro do bem, da generosidade, da simplicidade elevada que só pode desabrochar despertando coisa pura, ressaltando enorme ternura.

Se és marco no ementário das lutas nacionais pela liberdade com a sua velha guarda democrática na evolução política do Império, hoje impera soberana na lição de bravura e entusiasmo que me transferira. Sim, eu sou Luzia!

Para obter uma paz honrosa era mister que me mostrasse forte. Fui rebelde, fui veemente, tantas vezes contundente, como Luzia, insurgente!

Num conflito de emoções difíceis, nutrindo a chama da verdade, debalde incitava à responsabilidade, mesmo que erroneamente interpretada, por tantas vezes alvejada.

O próposito era maior. A emoção feita de devoção à advogada da luz dos nossos olhos, aos lampejos de uma causa de lealdade, que se revestia de nada mais que muita vontade. De realizar, de construir, de reordenar. Foram muitas batalhas, hei de lembrar! Das mais fortes… o São João de Deus!

Gravada na mente e no coração a doçura de Macaúbas, o enlevo sublime que a paz exprime aquele lindo Mosteiro que expande sua fragrância de flor na oração pelo mundo inteiro.

Admiração não falta, pelo povoado abençoado e apadrinhado por São Francisco. Seu teatro -referência mundial – só um no Brasil, o de curral. Taquaraçu pequena e gigante, história que não pode ser olvidada, seu valor, seu potencial.

Ah Santa Luzia… quisera saber escrever poesia. Para que de maneira sonora e eloquente, pudesse de lhe dizer de modo eficiente, em verso e prosa o que tanto vi, de diferente.

Seu chão quis proteger, sua confiança, quis merecer. Hei de ter serenidade, de te amando de verdade, voltar um dia não só para dizer da saudade, mas da alegria de te ver reerguida, pelo céu bem provida.

Dra. Liliane com as irmãs dos Mosteiro de Macaúbas

Peço ao Alto que as insígnias de sua bandeira, sejam a realidade a vida inteira. Que nada falte hoje e sempre e que em cada canto bendito, ressoe sempre o som bonito da melodia altiva e ilustre, dessa gente hospitaleira.

Obrigada ao município que renovara em mim todo o princípio da formação Vicentina, Clarissa-franciscana, do esteio precioso do berço que tive de uma família simples, mas muito humana. É de lá, do quintal luziense, donde advém todo o idealismo, o espírito de luta e o amor à Justiça!

E plagiando a mim mesma, quando oradora da turma na conclusão do tão adorado curso de Direito, ouso aduzir aqui em reiteração:
“Que é o Direito se não a grande esperança das massas na verdade e na bondade humana? Direito não pode ser sonho sonhado por poucos. Há de ser uma realidade ao alcance de todos. Temos um modificador pleno! Que sejamos portanto, executores do Direito e não meros repetidores, perpetuadores autômatos que acabam por demolir sonhos.”

Queira Deus que adiante se possa construir, engrenar, evoluir. Pelo que é reto, pelo que é bom. Sem perder aquele tom vibrante e avassalador do povo de outrora, lutador.

Que os intentos sejam legítimos, que os interesses sejam do povo, que a coletividade seja pensada como regra abençoada, assimilada, resguardada, lembrada e vivenciada.

Que se afaste o personalismo, o orgulho e a vaidade dos ignorantes, dos pobres moços ainda atrelados à superficialidade e à falsa religiosidade. Do pastoreio que não é de Deus, de interesses, que são só os seus. Da subliminar concepção de haurir as benesses do poder transitório na vil manipulação em favor de si mesmo, em detrimento da efetiva delegação divina e da população que não pode ficar a esmo.

Que venha o Soberano e Perfeito e conceda atenção. Que a Santa poderosa, cure de muitos, a visão. Resta agora a causa posta em oração. No mesmo discurso de anos atrás, a minha constatação:

“Se não se pode desraigar de uma só vez as máximas perversas, nem abolir os costumes imorais, não é isto razão para abandonarmos a causa da Justica!”

Obrigada Santa Luzia! Por você, ainda brigaria. Mas hei de lutar em outra infantaria, buscar nova alegria e quem sabe alcançarei aquilo que almejei por outras formas, por novos gestos, pela inspiração do exemplo dos grandes que por você labutam. E assim, como os elevados, lhe trazer as resultantes, com mais brilho e mais vigor das flores encantadas, exalando perfume de amor.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

6 Comentários

  • Nenez
    19 de julho de 2019, 08:03

    Que pena! Que bonita despedida! Que seja muito feliz!!!!

    RESPONDA
    • Luis Carlos@Nenez
      19 de julho de 2019, 17:10

      Claramente a cidade perde a defensora aguerrida do município. O trato com a coisa pública fez com retidão, como deve ser. Exemplo a ser seguido.

      RESPONDA
  • Márcia Elizabete Moreira
    20 de julho de 2019, 07:38

    Sábias palavras primas,vindo da Dra, não Poderia ser mais encantadora.
    Faço das suas palavras a de todo Luzience,q vem sofrendo muito.
    Apesar de ser Setelagoana adentre nesta cidade a 15 anos e nunca mais quis sair.Aqui casei,construí família e amo está cidade.Estou muito triste com sua saída,mas para Deus nada é impossível.Quem sabe voltaras?Saiba ser vc ,uma pessoa muito querida por muitos Luziences sinceros, pq não sinceros e falsos aqui está cheio.
    Deus abençoe o seu regresso à nossa cidade numa nova gestão.
    Beijos, Marcinha!

    RESPONDA
  • José Carlos Santana
    20 de julho de 2019, 16:37

    Que o seu caminho tenha o carinho e a beleza do seu texto. A gente boa de Santa Luzia não vai te esquecer, pode acreditar, senhora. Ficou provado que você é mesmo uma l-u–z-i-a
    A mártir italiana vai permanecer com você, pra sempre.

    RESPONDA
  • Fernando Veloso
    23 de julho de 2019, 14:45

    Sempre acontece isso com as pessoas que tentam dar seriedade no município. Estamos cansados de pessoas que tratam as coisas publicas como se fossem privadas, privadas nos 2 sentidos da palavra. Claramente quem perde é Santa Luzia. O prefeito deveria se manifestar a respeito.

    RESPONDA
  • Elza Maria
    27 de julho de 2019, 10:00

    Um lindo e suave texto, palavras gentis e delicadas com a cidade e com os luzias. Nas entrelinhas percebe-se o que está no coração dessa serena e forte mulher e o motivo da sua saída.
    Santa Luzia merece o seu retorno Dra Liliane.

    RESPONDA