Lançamento de livro marca cerimônia dos 140 anos de morte da baronesa de SL

Lançamento de livro marca cerimônia dos 140 anos de morte da baronesa de SL
Os autores Beto Mateus e Marcos Paulo de Souza Miranda. Pesquisa ajuda a compreender o papel dos barões de Santa Luzia para o desenvolvimento da cidade. Foto: Marcos Ikeda

Luzias

Com uma cerimônia marcante, cheia de simbolismo e revelações históricas, a Associação Cultural Comunitária de Santa Luzia relembrou na tarde do último domingo (02/06), no Solar da Baronesa, no centro histórico, os 140 anos do falecimento de Maria Alexandrina de Almeida, a baronesa de Santa Luzia.

De acordo com o presidente da Associação, Adalberto (Beto) Mateus, a iniciativa de celebrar a data é uma oportunidade para preservar a memória histórica da cidade. “A baronesa é considerada uma das personalidades mais importantes de Santa Luzia, uma das principais beneméritas, que desenvolveu serviços na área de assistência social e cultural. Nessa oportunidade, propusemos uma celebração que representasse um reconhecimento por essa contribuição”, disse Beto Mateus, salientando a participação da Paróquia de Santa Luzia e da Secretaria Municipal de Cultura, que cedeu o espaço do solar para a atividade religiosa e cultural.

Importância da preservação da memória
A celebração religiosa foi realizada pelo pároco Felipe Lemos de Queirós no oratório do Solar, e acompanhada pelo violinista Lucas Damasceno e pelo pianista Mauro Chantal, que executaram músicas inspiradas no período colonial. No repertório, a belíssima Ave Maria de Franz Schubert (1797-1828) e o Salve Regina do compositor mineiro José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746-1805).

O salão do Oratório foi ornamentado para a cerimônia do dia 02 de junho com o retrato da baronesa Maria Alexandrina. Padre Felipe destacou a importância da história e do reconhecimento aos que contribuíram para o desenvolvimento da cidade. Foto: Marcos Ikeda

Durante a homilia, o padre Felipe Lemos destacou a importância da preservação da memória e da identidade de personalidades que contribuíram para o desenvolvimento cultural da sociedade luziense, lembrando ainda a participação de Maria Alexandrina nas atividades da paróquia de Santa Luzia, com a doação de alfaias e recursos para a sua manutenção, além de sua grande obra de assistência social representada pelo Hospital de São João de Deus.

Lançamento do livreto “Barões de Santa Luzia: informações preliminares”
Após a celebração, os presentes participaram do lançamento do livreto Barões de Santa Luzia: informações preliminares, de autoria dos pesquisadores do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, Beto Mateus e do promotor Marcos Paulo de Souza Miranda, que também é o titular da 6ª Promotoria de Justiça de Santa Luzia.

Em sua fala, Marcos Paulo destacou a opulência econômico-financeira de Manoel Ribeiro Vianna e suas relações políticas estabelecidas com o pai de Maria Alexandrina que resultou no casamento, realizado em 23 de outubro de 1824, no oratório do solar. “José Joaquim de Almeida, pai de Maria Alexandrina, foi um importante militar e político brasileiro que esteve envolvido na Confederação do Equador. A pesquisa, além de revelar as relações desse episódio com a chegada de Maria Alexandrina à Santa Luzia, sugere outra investigação referente à realização da Revolução Liberal de 1842 na localidade”, destacou o promotor, dando verdadeira aula de história ao público presente.

Publicação traz valiosas informações, inéditas, sobre os barões de Santa Luzia

Digitalização do antigo jornal “O Luziense”
Ainda como parte da ação cultural, a secretária-executiva da Associação Cultural do Arquivo Público Mineiro, Márcia Alkimim, repassou ao secretário municipal de Cultura, Ulisses Brasileiro, um cd contendo a digitalização dos exemplares do jornal O Luziense, publicados entre os anos de 1915 e 1916. O jornais foram adquiridos pela Associação Cultural luziense no final da década de 1990 e agora, também por patrocínio da entidade, foram digitalizados na sede do Arquivo Público Mineiro, em Belo Horizonte.

Uma cópia da digitalização foi entregue também para o Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda para que sejam uma referência nas pesquisas sobre o patrimônio cultural local. Entre as autoridades, estiveram presentes a desembargadora do TJMG Dra. Áurea Maria Brasil Santos Perez, descendente da família da baronesa, e a procuradora jurídica do município, Dra. Liliane Noacco.

Adesão ao movimento abolicionista
O livreto Barões de Santa Luzia: informações preliminares reúne dados sobre os barões de Santa Luzia Manoel Ribeiro Vianna (1º barão), Maria Alexandrina de Almeida (baronesa) e Quintiliano Rodrigues da Rocha Franco (2º barão) e tem prefácio assinado pelo ex-secretário de Estado de Cultura de Minas Gerais, Angelo Oswaldo de Araújo Santos.

Familiares da baronesa estiveram presentes no evento. Ao lado dos autores da publicação lançada, estão a desembargadora Dra. Áurea Brasil, seus pais Dr. Pedro Vieira dos Santos e Maria do Carmo Brasil Vieira dos Santos (Bebê) e Elizabete de Almeida. Foto: Marcos Ikeda

Com informações obtidas em cartórios e arquivos, a pesquisa traça um perfil inédito dos biografados, incluindo dados sobre Antônio Roberto de Almeida, irmão da baronesa, que chegou a assumir a presidência da Província de São Paulo. São apresentados, ainda, dados sobre o auxílio financeiro dado pela baronesa, já viúva, aos Voluntários da Pátria, que lutaram na Guerra do Paraguai, e a sua adesão ao movimento abolicionista.

Baronesa concede liberdade aos escravos
Maria Alexandrina faleceu em sua cidade natal, Barra, no estado da Bahia, no dia 02 de junho de 1879, sendo sepultada no Cemitério Santíssimo Sacramento, estabelecendo em seu testamento a liberdade dos seus escravos.

Com 36 páginas e ilustrado com fotos inéditas da cidade do início do século 20, o livreto pode ser adquirido ao valor de 20 reais, e tem a sua venda revertida para ações em benefício do patrimônio cultural de Santa Luzia, dentre elas a restauração em curso no retábulo da Capela do Instituto São Jerônimo que, originalmente, fez parte do acervo da Fazenda das Lajes, também de propriedade dos barões. Mais informações: associacaoculturalsantaluzia@gmail.com

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply

7 Comentários

  • Carlos Novy
    5 de junho de 2019, 06:55

    Pena que não fiquei sabendo do lançamento do livro, senão teria comparecido

    RESPONDA
  • Pedro Vieira dos Santos
    5 de junho de 2019, 09:45

    Foi com alegria e emoção que participamos das solenidades. Parabéns pela execução do livro.

    RESPONDA
  • rosa maria rezende reitano
    10 de junho de 2019, 12:24

    maravilhada com esse lugar e sua historia !
    vou tentar entrar em contato para adquirir o livreto.
    e conhecer esse lugar.

    RESPONDA
  • rosa maria rezende reitano
    10 de junho de 2019, 16:40

    adorei a cidade de santa luzia e sua linda historia !
    gostaria de adquirir o livreto baroes de santa luzia.
    como faço ?

    RESPONDA
  • rosa maria rezende reitano
    15 de junho de 2019, 12:04

    gostaria de adquirir o livreto Baroes De Santa Luzia .
    como devo nfazer ?

    RESPONDA