Poeta luziense pede apoio para publicar “Balaio de Versos”, seu livro de poesias

Poeta luziense pede apoio para publicar  “Balaio de Versos”, seu livro de poesias
Décio Araújo Filho, autor de outro livro de poemas, já prepara a sua terceira obra, composta de contos. Foto: Divulgação

Luzias

O advogado e poeta Décio Araújo Filho(Decinho), de uma das famílias mais conhecidas de Santa Luzia, está fazendo uma campanha, buscando obter apoio financeiro para publicar o seu segundo livro, com aproximadamente cem poemas, intitulado Balaio de Versos”. Importante dizer que a renda proveniente da comercialização dos primeiros mil exemplares do livro será integralmente destinada a “APAE de Santa Luzia”. Caso seja feita a impressão de dois mil exemplares, serão beneficiadas mais outras instuições luzienses: a Companhia de Teatro Solaris e a Academia de Letras e Artes de Santa Luzia.

Leia o texto do próprio autor:

A minha primeira obra foi lançada em 2008, com o título de “Emborná Di Puisia”. É uma coletânea de poesias cuja renda foi revertida para a construção da sede do Grupo Espírita Esperança, situada na Rua Maria Luiza Novais, 73, bairro Camelos, Parte Alta, em Santa Luzia. Naquela época o Do Rocival Lyrio de Araújo, médico e amigo de saudosas lembranças, arcou com as despesas com a impressão de mil exemplares, cuja venda contribuiu efetivamente com a construção da sede.

A partir de então, novos poemas surgiram e se somaram a alguns outros da primeira coletânea. O título já nos fala muito da obra.

O Balaio “é um cesto, feito de palha, vime, cipó, ou outros materiais, usado para várias finalidades. É usado na feira para vender frutas e verduras, para guardar material de costura e bordado, como linha e lã. Serve também de cama para os animais, entre eles o gato, que gosta de fazer bagunça dentro do balaio”. Talvez porque me veja como um Balaio, confeccionado com os materiais mais simples, em formato um tanto bojudo, carregando em mim utensílios, os mais diversos, colhidos no transcurso de uma existência que já ultrapassa as seis décadas e pode ser resumida como encontros e reencontros com tantos outros Balaios.

O primeiro livro do autor

De todos esses Balaios, tenho colhido ensinamentos, experiências, usufruído de legados deixados por tantos outros Balaios. Com a colheita obtida em tantos outros, tento enfeitar o meu Balaio. E como a poesia é o canto da alma, como o murmúrio das ondas é o canto do mar, eu disponibilizo para você, meu leitor, o melhor que existe em meu Balaio até agora, como os murmúrios desta alma no oceano da Vida.

Balaio de Versos é um retrato poético de mim mesmo. Espero que a colheita que cada amigo dispuser a empreender possa enfeitar o seu próprio Balaio, para a sua alegria.

A obra é dividida em cinco capítulos:

Capítulo I – Contém 19 poemas de cunho cristão. Saliento os “Autos de Natal” que surgiram com minhas experiências na  construção, durante uma década, de presépios em minha residência, como revivescência de lembranças infantis e colaboração na manutenção de uma tradição natalina luziense. Poderia destacá-lo como o recanto das flores de religiosidade do meu Balaio.

Capítulo II – Composto de 24 poemas é uma ode ao amor. Ao amor que embala os corações de um homem e de uma mulher em encontros e desencontros na vida e o que essa façanha representa de belo e dorido. Como a própria ilustração inicial deste capítulo deixa claro, é um pedaço especial do meu Balaio para o teu Balaio.

Capítulo III – Composto de 18 poemas é um verdadeiro mosaico de mim mesmo. Nele, tento passar a emoção de ser criança, a essência de violeiro, as especiais flores do meu Balaio que são os amigos. Tento mostrar que viver e sonhar são artes de uma mesma realidade e falar sobre vários aspectos do meu ser. Nele, busco enfatizar o meu amor à vida, à lua, ao entardecer, aos filhos, aos netos, ao pai. Amor ao mar e ao murmúrio poeta das suas ondas. Sigo, então, poetamente, saboreando um samba salgado que me leva nos braços de uma pipa de arribação ou nas asas de um passarinho, aos píncaros da consciência de ser. Um ser que sabe que tudo passa e como um velho palhaço s’iscafedeu, desaconteceu.

Capítulo IV – Composto de 20 poemas que falam de assuntos de ordem social, de coisas da nossa terra Santa Luzia e o seu Rio que é da minha e da sua vida também. Passo rimas pelo meu, pelo seu e pelos nossos Brasis, por lendas, estórias e lembranças dos Inconfidentes que desde criança embalaram e fazem ainda parte de todos nós. Por fim, alinho versos à viola e traço homenagens aos violeiros, marco indelével do Brasil verdadeiro, do puro e brasileiro Brasil de Suassuna.

Capítulo V – Composto de 13 poemas de outros 13 poetas conterrâneos e amigos que, convidados, acederam com carinho, a enfeitar o meu Balaios com flores de seus Balaios. Alguns já são artistas consagrados, outros inauguram a sua participação literária em um livro, na certeza de que os  maiores ganhadores são a Poesia, a Arte, o Belo, a Vida.

Parte do trabalho editorial e a publicação do Balaio de Versos” é de responsabilidade da Editora Chico Xavier, que também tem sede em Santa Luzia. Portanto, peço a doação de qualquer valor para a materialização deste projeto, o qual ajudará bastante essa respeitável instituição.

Caso você se disponha a apoiar esse meu Balaio de Versos, peço que efetue seu depósito ou a transferência da sua contribuição para:

Banco Itaú – Agência: 3040 – Conta Corrente: 57273-1 – PIX: [email protected]

Para finalizar, solicito que me envie a cópia do comprovante de depósito ou transferência( para meu controle), através de qualquer um dos contatos:

Telefone/WhatsApp: (31) 9 9716-4667 E-mail: [email protected]

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

3 Comentários

  • Nenez
    31 de agosto de 2021, 10:53

    Merece ser apoiado!!!!

    RESPONDA
  • Décio Araújo Filho
    1 de setembro de 2021, 00:16

    Sinceramente agradeço a Maya Santana e a todos os colaboradores do Jornal Os Luzias por esta matéria. Mais que sempre estamos necessitados da poesia, que nos proporciona leveza, esperança e a visão da real que sustenta a essencialidade da vida, que é, segundo outro poeta de sensibilidade ímpar, é invisível aos olhos. Espero que corações possam ser tocados por este projeto para que possamos, além de tudo o que foi dito acima, demonstrar que a arte tem um compromisso social. Esclareço, ainda, que nosso pedido de apoio está muito ligado com o tamanho da obra, que atingirá cerca de 400 folhas, o que encareceu sobremodo o valor da impressão. Muito agradecido.

    RESPONDA
    • Maya Santana@Décio Araújo Filho
      1 de setembro de 2021, 20:52

      Decinho, como disse a minha irmã Nenêz, você merece. Alguém escrever poesia nesse momento difícil em que vivemos é muito louvável. Tem e terá sempre todo o nosso apoio. Muito sucesso para o seu balaio de Versos!

      RESPONDA