Bueiro aberto no Boa Esperança é uma verdadeira armadilha para os pedestres

Bueiro aberto no Boa Esperança é uma verdadeira armadilha para os pedestres
Para impedir acidentes mais graves, moradores colocaram um bambu no buraco, chamando a atenção para o perigo, no lugar onde deveria haver uma calçada. Foto: Luzias

Luzias

Perigo no passeio. Quem passa na Avenida Wenceslau Braz, no Bairro Boa Esperança, não deixa de ficar assustado. Desde as chuvas de janeiro, conforme relato de moradores, há um bueiro aberto que coloca em risco a vida dos pedestres e, até agora, não tem nenhuma medida por parte da prefeitura. ” Já liguei várias vezes para pedir providências, mas ninguém veio até hoje dar um jeito. Ando aqui com a minha filha e fico morrendo de medo”, disse uma mulher na manhã deste domingo (30).

O bueiro, com vários metros de profundidade, fica na via pública ao lado do posto Beira-Rio e a alguns metros do número 105A. Para evitar um mal maior, moradores colocaram um bambu para sinalizar.

Há meses o bueiro se encontra assim, colocando em risco quem passa pelo local, sobretudo à noite

Na verdade, esse é um dos inúmeros problemas da Avenida Wenceslau Braz, que liga os bairros da Ponte e Boa Esperança. Os passeios são estreitos e mal-conservados, com raríssimas exceções, não há lixeiras e, em alguns pontos, a longa cerca de bambu fica sobre o meio-fio. Na semana passada, trabalhadores estiveram no local roçando o mato, o que ainda não foi suficiente para fazer valer o imposto que o contribuinte paga. Portanto, são necessárias providências urgentes.

Quem foi?

Só para lembrar, o mineiro Wenceslau Braz (1868-1966), advogado e político brasileiro, foi presidente do Brasil entre 1914 e 1918, com um pequeno afastamento de um mês em 1917 por motivo de doença. No bairro Boa Esperança, a cada via foi dado o nome de um presidente do país. O vice-presidente de Wenceslau Braz foi Urbano Santos da Costa Araújo.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply