Incêndio na fazenda causa transtornos aos moradores do bairro Boa Esperança

Incêndio na fazenda causa transtornos aos moradores do bairro Boa Esperança
Nem chegou a época de seca e já ocorreu o primeiro incêndio. Veja como ficou a área atingida pelo fogo na Fazenda Boa Esperança. Foto feita por um morador

Luzias

A chuva que caiu sobre a área central de Santa Luzia na sexta-feira(1) foi providencial: apagou de vez o incêndio que consumia parte da vegetação da Fazenda Boa Esperança, aliviando assim a situação de sufoco que parte dos moradores do bairro vinha vivendo com a densa fumaça no local.

O drama dos que vivem ali teve início na terça-feira, 29 de março, quando o fogo começou na parte alta da fazenda, próximo à Avenida Nossa Senhora do Carmo. Logo se alastrou. Foi preciso a ação do Corpo de Bombeiros para conter as chamas. Num primeiro momento, os bombeiros conseguiram extinguir as labaredas.Mas elas voltaram a crepitar. A fumaça escura produzida persistiu por dias e dias, provocando sinusite, secura na garganta e muita tosse nos moradores.

Ninguém sabe exatamente como começou o incêndio, registrado nesse vídeo por um morador. Seria um ato criminoso? O fato é que, nos dias seguintes, os que vivem nas ruas mais perto da fazenda sofreram com a falta de ação das autoridades. Não é a primeira vez que parte da a vegetação de lá é consumida por um incêndio.

Como aconteceu tantas vezes na antiga fazenda de Vicente de Araújo, o fogo surge, destrói áreas inteiras, mas nunca fica determinado se foi provocado por mãos humanas, porque não há investigação. E mesmo quando se tem certeza que foi provocado, não acontece com os criminosos, como se constatou tantas vezes no caso da área do Vicente de Araújo.

O grande temor dos moradores do Boa Esperança é que outros incêndios ocorram na fazenda e, como dessa vez, as autoridades cruzem os braços, esperando que a própria natureza dê solução ao problema, como se viu com a bendita chuva de sexta-feira.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *