De bicicleta, morador de Santa Luzia faz trabalho louvável de educação ambiental

De bicicleta, morador de Santa Luzia faz trabalho louvável de educação ambiental
o ciclista Ézio Ferreira, de 56 anos, se dedica ao trabalho voluntário de recolher lixo num trecho da rodovia MG-020 em Santa Luzia. Fotos: Gustavo Werneck/EM/D.A PRESS

Gustavo Werneck, Estado de Minas

A missão de unir o útil ao agradável vai longe: são quilômetros de pedaladas enérgicas para manter a saúde do corpo e, num zelo impressionante, preservar a natureza. Desde 6 de setembro, o ciclista Ézio Ferreira, de 56 anos, se dedica ao trabalho voluntário de recolher lixo num trecho da rodovia MG-020 em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Do Bairro Esplanada, onde mora na cidade vizinha à capital, ao tricentenário Mosteiro de Macaúbas, ele vai retirando do acostamento e do mato próximo à estrada garrafas de vidro, latinhas e sacolas de plástico. “Pelas características dos resíduos sólidos, vejo que foram lançados dos carros que trafegam aqui. Já escapei de levar uma ‘garrafada’ na cabeça, jogada distraidamente pelo passageiro de um veículo”, conta.

No feriado de segunda-feira, a reportagem do Estado de Minas se surpreendeu ao ver Ézio parando em diversos pontos da rodovia para recolher o lixo e levando, na bicicleta, duas caixas coletoras com o cartaz em destaque: Não jogue mais lixo. Solitário na ação e atuando como devotado faxineiro do meio ambiente, ele diz que a iniciativa nasceu durante seus passeios pela região e do impacto de ver tanta sujeira ao longo da estrada que beira o Rio das Velhas, afluente do São Francisco. “Fico incomodado, porque muita gente não se preocupa, não tem o menor cuidado. Uma vez, um homem, com sua família, me perguntou o que eu estava fazendo. Ao responder que recolhia o lixo, ele me entregou uma sacolinha cheia…e falou que jogaria pela janela mais adiante”.

Situações assim mostram que, além da limpeza, Ézio desenvolve um trabalho de educação ambiental com bons resultados. “Nesses dois meses de trabalho quase diário, notei que o lixo diminuiu cerca de 20%. Creio que as pessoas vão tomando consciência do absurdo que é jogar, pela janela, fraldas descartáveis, garrafas de bebida alcoólica, latas de cerveja e refrigerante, embalagens plásticas, papel e muito mais. Só para se ter uma ideia, já devo ter recolhido ‘um carro de passeio inteiro’ de garrafas. No feriado, foram 150 garrafas e 52 latinhas”. Ézio já ouviu a queixa dos motoristas de ônibus quanto a pneus furados pelos cacos de vidro. “É prejuízo de todo lado, para as empresas e o meio ambiente”, alerta.

Ézio: “Nesses dois meses de trabalho quase diário, notei que o lixo diminuiu cerca de 20%”

DINÂMICA – Como não pode dar um destino a todo o material reciclável recolhido, Ézio adotou um sistema: pega o que pode na bicicleta e leva a um determinado ponto, fazendo várias viagens até esse local. Chegou a conversar com uma cooperativa para recolhimento, não deu certo, embora tenha se surpreendido. “Acredita que alguém passou, não sei se equipe da Prefeitura de Santa Luzia ou do DER-MG (Departamento Estadual de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais), e recolheu todo o material?”, revela satisfeito. “As latinhas são levadas para minha casa, para vender, pois não tenho patrocínio e só o pneu da bike custa R$ 100.”

Funcionário aposentado da Cemig, onde trabalhou durante 36 anos, e natural de Sabará, Ézio é casado, tem dois filhos – uma jovem que mora na Inglaterra e um rapaz que reside em Santa Luzia – e se formou em administração, especializando-se em consultoria ambiental. “Aprendi muito com meu pai, Odilon Chagas Ferreira, falecido em 2007, que foi treinador do time da Siderúrgica, em Sabará. Gostaria que outras pessoas se interessassem por essa ação voluntária. A natureza agradece.”

Na estrada, são muitos os motoristas de ônibus que piscam o farol ao ver o homem de capacete, luvas e roupas de ciclista curvado para recolher o lixo. Gente de bicicleta também cumprimenta. “No feriado, vi mais de 50 carros de campanha política passando na rodovia, entre Sanra Luzia e Jaboticatubas, mas acho que não dão a menor importância a esse trabalho”, observa. Sempre de olho na segurança, Ézio explica que já viu muita cobra no caminho, mas não tem medo. “Os animais estão na natureza, devemos respeitá-los. O importante é preservar.”

Para fazer seu trabalho, Ézio escolheu a bicicleta, veículo que não polui

RESPONSABILIDADE – Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Santa Luzia, a Secretaria Municipal de Obras faz a limpeza da estrada para Macaúbas (MG-20) somente no setor urbano, que termina no Bairro de Pinhões: “Neste espaço, todo o lixo e o entulho são recolhidos periodicamente. No restante do trecho asfaltado, a limpeza fica a cargo do DER-MG”.

Em nota, a direção do DER-MG informa que o descarte de qualquer tipo de material na faixa de domínio das rodovias estaduais sob a jurisdição do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais é proibido e passível de multa, em caso de flagrante, no valor de R$ de R$ 3.563,13. A infração é classificada como gravíssima, conforme Decreto Estadual 43.932/2004, que regulamenta o uso e ocupação da faixa de domínio.

Na MG-020, o DER é responsável pela manutenção do km 35 ao 62 da rodovia e, eventualmente, e por questão de segurança, as equipes de manutenção do departamento fazem a limpeza de alguns pontos enquanto executam os trabalhos rotineiros previstos em contrato, que são roçada, limpeza dos dispositivos de drenagem, tapa-buracos e sinalização.
Caso algum cidadão registre o flagrante dessa irregularidade, ele poderá enviar foto ou vídeo, com a placa do veículo, para: www.der.mg.gov.br) / Fale Conosco, pelo aplicativo MG app (selecionar Rodovias e Transportes) e pelo e-mail [email protected] que as medidas cabíveis, previstas na legislação, sejam tomadas.

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply