Muita tensão na apresentação do relatório que poderá levar à cassação do Prefeito

Muita tensão na apresentação do relatório que poderá levar à cassação do Prefeito
Cerca de 200 pessoas acompanharam em plenário a audiência na Câmara que tratou da investigação contra o prefeito de Santa Luzia. Policiais militares e agentes municipais ficaram a postos para evitar confusão. Fotos: Jair Amaral/EM/D.A PRESS

Reunião de apresentação do relatório que pode levar ao impeachment do prefeito Christiano Xavier é marcada por torcida em plenário, gritos contra vereadores e polícia ao redor da Câmara

Matheus Muratori, Estado de Minas

A apresentação do relatório da comissão processante que analisa a denúncia que pode levar ao impeachment do prefeito de Santa Luzia, Christiano Xavier (PSD), lotou ontem a Câmara Municipal da cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Cerca de 200 pessoas acompanharam a sessão no plenário e se manifestaram contrárias ao seguimento das apurações pelo afastamento do chefe do Executivo. Policiais militares e do Corpo de Bombeiros, além de agentes municipais, foram destacados para evitar confusão.

A denúncia que pode levar ao afastamento de Christiano foi aprovada pelo plenário da Câmara em 6 de agosto. O “sim” venceu por 10 votos a cinco. Quem apresentou a representação contra o chefe do Executivo foi o advogado Abraão Gracco. Na denúncia, o advogado defende que Christiano descumpriu a Lei Orgânica ao infringir três normas: ausentar-se do país sem autorização, desrespeitar decreto de calamidade financeira, e não aplicar verbas públicas destinadas à saúde.

A favor do Prefeito – Durante a sessão ontem, o público se manifestou a favor do prefeito e contrário ao presidente da comissão, o vereador Sandro Coelho (PSDB). Compõem a comissão processante os parlamentares César Lara Diniz (PCdoB), que é relator, e Vagner Guiné (PMDB). Gritos como “quer roubar, o Sandro vai te ensinar”, “acabou a mamata” e “vergonha” interromperam a reunião em vários momentos. Também foram estendidos cartazes com os dizeres “Acabou a corrupção” e “Não vai ter golpe”. A dona de casa Azizi Vieira, de 62 anos, era uma das manifestantes favoráveis ao prefeito. “Muitas vezes nenhum deles é inocente, mas às vezes têm deslizes pequenos e outras pessoas se aproveitam disso. Não acho isso normal, vejo isso como perseguição ao prefeito”, afirmou.

Leia também
Santa Luzia vive outra vez o drama de um triste processo de cassação do prefeito

O alvo das manifestações era o vereador Sandro Coelho, principal desafeto do Prefeito

O vereador Sandro Coelho, principal alvo das manifestações, minimizou os gritos. “Não somos contra ninguém, apenas fazemos nosso trabalho. As manifestações são comuns, isso é democracia, e era até esperado esse tanto de gente pois ele (o prefeito) convocou todos para cá. Temos que respeitar essas opiniões que não sejam de cunho pessoal.” Na última segunda-feira, os vereadores da comissão processante registraram um boletim de ocorrência contra o prefeito, acusando-o de fazer ameaças.

Resposta de Christiano Xavier – O prefeito não compareceu à sessão e enviou o advogado Vicente Salgueiro para fazer sua defesa. Na reunião, foi apresentado por parte da comissão o cronograma de trabalho do aprofundamento do processo e demais pedidos legais por meio de intimação. Vicente comentou como a defesa viu a reunião. “Foram pedidos de um desdobramento normal. Vimos algumas inconsistências, questionamos, vai ser deliberado posteriormente, e esperamos que seja acatado. Tudo isso consideramos um trabalho normal da comissão e nos próximos 15 dias devemos ter algumas respostas”, disse o representante do prefeito.

Leia também:
Prefeito rebate as três acusações nas quais se baseiam o pedido de cassação

Logo após a reunião na Câmara, a reportagem do EM conversou com Christiano Xavier. O prefeito ameaçado de impeachment disse estar tranquilo quanto ao processo. “Estou tranquilo e ansioso para chegar o dia da votação, para eu estar lá acompanhando, a população também, e sabermos o pensamento real dos membros da Câmara”.

Eleições de 2020 – Christiano justificou a ausência na Câmara, algo esperado pelos manifestantes. “Não fui pois seria apenas a apresentação do relatório e do cronograma. Não ia ter direito a fala, achei desnecessário, tem muito trabalho na prefeitura. Não nos surpreendeu esse apoio, vimos as movimentações, todos dizendo que iam, não foi uma convocação nossa. Já achava que ia muita gente. A cidade de Santa Luzia está acontecendo, está um verdadeiro canteiro de obras. Isso vai de encontro ao interesse dos adversários políticos”.

Veja também:
Relator da comissão processante, César fala do processo de cassação do Prefeito

Por fim, o prefeito criticou o processo de impeachment. “É uma manobra política para desgastar o governo e fazer pressão para que a gente ceda, com essa política retrógrada e nojenta que existia aqui. A gente é pautado na transparência, acabamos com contratos emergenciais, fizeram isso de olho nas eleições de 2020.”

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancel reply