Chico, Gil, Caetano e Milton assinam carta a Zema pedindo suspensão da mineração na Serra do Curral

Chico, Gil, Caetano e Milton assinam carta a Zema pedindo suspensão da mineração na Serra do Curral
Gente ligada à cultura do Brasil inteiro e do exterior está protestando contra a decisão do governo mineiro de aprovar mineração na Serra do Curral. Foto: portal G1

Rafaela Mansur, G1

Desde que foi anunciado, há quase uma semana, que o governo Romeu Zema(Novo) aprovou licença autorizando a exploração de minério de ferro na Serra do Curral, cartão postal de Belo Horizonte, as manifestações contra a iniciativa absurda não param de crescer . A mais recente é essa carta a Zema assinada por artistas de todo o Brasil e do exterior ,prevista para ser entregue nesta sexta-feira(6), com os nomes mais expressivos da nossa cultura, como os escritores Conceição Evaristo e Itamar Vieira Júnior (Torto Arado) e os atores Paulo Betti e Renata Sorrah, além do já citados e outros mais de 500.

Mesmo com toda a gritaria geral contra o ato insano, Zema, que concorre à reeleição em outubro, continua defendendo o projeto da Taquaril Mineração S.A (Tamisa), que prevê a exploração da Serra do Curral em três etapas. Mostrando toda a sua insensibilidade, ele repetiu em mais de uma entrevista que os moradores de Belo Horizonte, o cidadão comum, não tem condições de se manifestar: “Pessoas que não têm nenhuma formação não deveriam estar opinando. Então, que os técnicos opinem e que a Justiça defina o que é melhor para Minas Gerais”, afirmou Zema, ex-empresário, apontado como aliado das mineradoras.

Leia o artigo de Rafaela Mansur, publicado pelo portal G1, sobre a carta que os artistas vão fazer chegar às mãos das autoridades de Minas:

Chico Buarque, Milton Nascimento, Gilberto Gil e Caetano Veloso são alguns dos artistas que assinaram um manifesto contra a exploração da mineração na Serra do Curral, paredão que abrange Belo Horizonte, Nova Lima e Sabará. Ele será lançado nesta sexta-feira (6).

A carta pede ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema(Novo) e à secretária estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Carvalho, a anulação do licenciamento concedido à Taquaril Mineração S.A (Tamisa) para a instalação de um complexo minerário na região. Além disso, ela reivindica a aprovação do tombamento estadual da Serra do Curral.

A iniciativa é da documentarista e produtora Luciana Sérvulo da Cunha, diretora dos filmes “A Rua dos Meninos” e “Hijos de la Revolución”, em parceria com o movimento Tira o Pé da Minha Serra. Luciana é paulista, mas tem família em Belo Horizonte e defende que a Serra do Curral é uma causa nacional.

“Passei minha juventude frequentando Belo Horizonte, fazendo caminhadas lá, e fiquei devastada quando recebi essa notícia, porque nós sabemos todos os prejuízos que a mineração acarreta, não só para a fauna e a flora, inevitavelmente, mas para a população, que está muito próxima. Isso, por si só, deveria ser proibido, porque a mineração faz o seu trabalho secando a água do entorno”, diz.

Serra do Curral: Belo Horizonte e todo o seu entorno não podem prescindir da Serra do Curral. Foto: G1

Um “tuítaço” em defesa da Serra do Curral também será realizado nesta sexta-feira. No dia 13 de maio, a carta será entregue ao prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD).

Nesta semana, o município entrou com uma ação na Justiça para pedir a suspensão do licenciamento concedido à Tamisa para a exploração na região. Para a prefeitura, as atividades minerárias podem causar impactos na capital, como risco geológico de erosão do Pico Belo Horizonte, risco à segurança hídrica e redução da qualidade do ar.

“Até agora os representantes do governo do estado não responderam nossos pedidos de agendamento. Se eles não nos receberem, vamos, de qualquer forma, protocolar a entrega da carta”, afirma Luciana.

Segundo ela, a carta já foi assinada por mais de 500 pessoas, dentro e fora do Brasil. Entre os nomes, estão também Conceição Evaristo, Itamar Vieira Junior, Samuel Rosa, Fernanda Takai, Débora Falabella, Paulo Betti e Renata Sorrah.

O licenciamento para o complexo minerário foi aprovado na madrugada do último sábado (30), após mais de 18 horas de reunião. Oito conselheiros votaram a favor do empreendimento, e quatro votaram contra. Todos os representantes do governo estadual se posicionaram a favor da aprovação do projeto.

O projeto está localizado em Nova Lima, nas proximidades da divisa com Belo Horizonte e Sabará.

O empreendimento será dividido em duas fases, que serão implantadas e operadas ao longo de 13 anos. O projeto prevê que serão lavrados e beneficiados aproximadamente 31 milhões de toneladas de minério de ferro, resultando em 24 milhões de toneladas de produtos.

Para a instalação do complexo, será necessário devastar 41,27 hectares (a área total do empreendimento é de 101,24 hectares) de vegetação nativa de Mata Atlântica, dos quais quase seis hectares estão em áreas de preservação permanente.

Não deixe de ver o vídeo:

Deixe um comentário

Mantemos a privacidade de seu e-mail. Os campos obrigatórios estão marcados com *

2 Comentários

  • Ana Helena Nogueira Ribeiro Gomes
    6 de maio de 2022, 17:25

    Assinei contra a mineração. Temos que impedir esse absurdo!

    RESPONDA
  • Carlos novy
    6 de maio de 2022, 17:31

    Como sou apaixonado pela natureza, me posiciono completamente CONTRA a intervenção de mineradoras na Serra do Curral, patrimônio natural de Belo Horizonte e, consequentemente, de todos nós! Muito me admirou a maioria da Comissão do Meio Ambiente posicionar-se a favor. Salvemos a Serra do Curral!!!

    RESPONDA